As 10 lições de vida que aprendi como blogger

Macbook numa mesa no Starbucks
José Lança autor do blog Desbloqueie-se
José Lança

Este é o artigo nº 50 deste blog. Para além destes 50 artigos, foram criados centenas de posts nas redes sociais e dois ebooks. Ao longo dos últimos três anos muita coisa aconteceu.

Os erros de quem começa do zero.

Nos primeiros meses de vida deste blog, os únicos visitantes eram os meus amigos, e só depois de os chatear muito para lerem os meus artigos. 

Artigos esses que hoje em dia foram rescritos na totalidade, se bem que alguns foram mesmo apagados por serem tão maus e sem recuperação possível.

Nos últimos dois anos, foram diversas as aprendizagens que tive ao criar e desenvolver este blog, apesar de já escrever há muitos mais.

Esta é uma compilação das 10 melhores lições que retirei dessas aprendizagens. As quais podem ser usadas em qualquer processo criativo, e até na vida em geral.

Aqui estão elas sem nenhuma ordem de preferência:

Lição nº 1.

O trabalho é a recompensa.

Sempre que acrescento um novo artigo a este blog, é como se colocasse mais um tijolo numa casa que está a ser construída. Quando acabo de escrever, fico motivado para continuar a produzir mais artigos. O que significa que não estou dependente de recompensas externas para me manter produtivo a longo prazo. O trabalho é a recompensa.

Lição nº 2.

A paciência é um hábito, e um hábito que se desenvolve.

Ter paciência é fundamental. No começo, é praticamente impossível fazer previsões sobre o que traz e o que não traz retorno financeiro. A única coisa que está no meu controlo é a criação de conteúdos, tornando-se imprescindível desenvolver rotinas diárias para não estar constantemente a gerir uma agenda. A paciência é desenvolvida juntamente com os hábitos de trabalho.

Lição nº 3.

Nunca sei o que vai ter êxito.

Nunca sei quais são os artigos que vão ter sucesso e os que não vão. No mês passado, publiquei um artigo chamado: Como descobrir a sua galinha dos ovos de ouro, quando acabei de o escrever pensei:

– Uau! Este artigo vai fazer explodir os servidores com tanto tráfego que vai ter!

E o que acabou por acontecer?

Nada…

Foi um dos artigos menos lidos do blog inteiro…

Em contrapartida, no dia 13 deste mês (sexta-feira 13) publiquei um artigo chamado: Como é que a sua vida veio aqui parar? Assim que o publiquei fiquei com a certeza absoluta que iria ser um dos piores artigos do blog e…

… estava absolutamente errado.

No dia a seguir à publicação, quando abri o aplicativo de análise do site fiquei boquiaberto com o que vi. Houve um pico de tráfego no site direcionado exclusivamente para este artigo!

A conclusão que tiro é que só sei que nada sei!

Lição nº 4. 

Mais vale fazer o que me dá prazer.

Já que nunca sei quais os temas que vão ter sucesso, mais vale escrever acerca do que me dá prazer. Os artigos deste blog são na sua maioria artigos de opinião, acompanhados por algumas pesquisas.

Escolho os temas dos artigos conforme vou tendo ideias. Ideias essas que nunca aparecem quando estou à frente do computador, mas sim a fazer outras coisas.

Normalmente, tarefas rotineiras como fazer a barba ou arrumar a cozinha. Quando me vem à cabeça uma ideia para um artigo, anoto-a imediatamente porque já sei que passado 5 minutos vou esquecê-la, normalmente essas ideias que surgem na hora dão-me no máximo o título para um artigo ou o conceito base.

Lição nº 5.

Nunca sei o que escrever antes de estar sentado à frente do computador.

No artigo Como lidar com o bloqueio de escritor, referi que a inspiração vem depois de começar a escrever, e não antes.

Pensar no que escrever antes de estar sentado à frente do computador, seria como tentar visualizar o caminho da minha casa na margem sul até Lisboa, com todas as curvas e entroncamentos.

É impossível, no entanto sei que sei o caminho. Basta-me entrar no carro e conduzir sem pensar em nada. Não tenho necessidade de visualizar o caminho todo na minha mente antes de o percorrer.

Com a escrita passa-se exatamente o mesmo. Sendo que ligar o computador e abrir o processador de texto é o equivalente de entrar no carro e rodar a chave na ignição.

Lição nº 6.

O foco numa área é suficiente para lidar com todos os problemas.

Dedico entre 4 a 6 horas diárias a este blog, menos ao domingo. O facto de ter algo que está a ser construído a longo prazo dá-me confiança, assim como me ajuda a não me importar com outros problemas na minha vida.

É como se a criação de alguma coisa fosse a fundação do meu bem-estar. Se por algum motivo perco a minha autodisciplina e fico a procrastinar durante um mês inteiro, começo a sentir-me inútil e os meus piores defeitos vêm ao de cima.

O que me leva à próxima lição:

Lição nº 7.

Algumas pessoas precisam de um propósito de vida.

Algumas pessoas tornam-se desprezíveis, más e frias quando estão desalinhadas do seu propósito de vida.

Têm de ter a sensação constante de estar a caminhar para algum lado, não conseguem viver se não tiverem pelo menos um objetivo pelo qual lutar.

Lição nº 8.

A autenticidade atrai audiências.

Há cada vez menos lugar para personalidades fingidas nas indústrias do entretenimento e do desenvolvimento pessoal. O público quer ver pessoas autênticas e que de alguma forma acrescentem valor às suas vidas.

Ser autêntico é não só, ser original, como também mostrar vulnerabilidade. Quando há uma junção destas duas características, há também uma identificação connosco por parte de outras pessoas.

Lição nº 9.

Não existem fórmulas para o sucesso.

Ao contrário do que dizem alguns gurus que nos querem vender os seus programas, não há fórmulas predefinidas para o sucesso. Há, no entanto, lições valiosas que podem ser retiradas de cada um desses programas. Tal como tenho feito ao longo dos anos.

Essas lições diferem de pessoa para pessoa e da fase da vida em que se encontram. O que pode ser uma aprendizagem de valor inestimável para mim, pode não fazer sentido para outra pessoa.

Lição nº 10.

Nós (autores, bloggers e criadores de conteúdos) não somos assim tão importantes.

Quando estava a tentar escolher uma foto minha para acompanhar a publicação deste artigo, pensei bastante se escolhia uma foto com barba ou sem, se usava algum filtro ou colocava a foto original, e se devia de editar a foto primeiro ou não. 

Até que me lembrei:

-Relax man… não és assim tão importante.

A verdade é esta. Nós criadores de conteúdos não somos assim tão importantes, o que é importante é o conteúdo que criamos capaz de acrescentar valor à vida de quem nos segue.

Estas foram as 10 lições de vida mais importantes que aprendi como blogger, deixem-me saber a vossa opinião comentando.

9
Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Rafaela Silva
Visitante
Rafaela Silva

Nossa que texto maravilhoso.. quando comecei me frustrava com algumas coisas e depois de 3 anos eu aprendi como escrever melhor e conseguir credibilizar meu trabalho.
Ótimo artigo.

Rafa
Visitante

Poxa, amei muito seu artigo. Muito do que você disse, eu me identifiquei muito! Me inspirou para criar conteúdos melhores também. Thanks 🙂

Anne Ferreira
Visitante

Concordo com tudo que você falou e lendo isso,lembro muito do comecinho do meu blog que eu também só tinha visitas de amigas,já passei muito por tudo isso que você falou e fazer algo porque amamos é sempre a melhor coisa a fazer o resto é consequência. É muito mais fácil lidar com isso aqui sem frustração quando amamos o que fazemos independe de resultados. Sempre fiz tudo aqui por amor,sem esperar nada em troca,talvez por isso eu comemore tanto cada conquista. Sucesso p você.

Joana Darc
Visitante
Joana Darc

Oi
Que legal ? nesta vida de blogueiros aprendemos com nossos erros e também encontramos bons amigos

Juh Claro
Visitante

Que post lindo! Sempre tiramos lições de tudo na vida, né? Acho que estou precisando fazer uma lista assim pra repensar algumas coisas haha O que eu mais tenho “seguido” ultimamente no blog é a lição 4; eu nunca tive muitos acessos, só mais no começo quando o blog era totalmente literário e eu tinha muitos “contatos” desse segmento – era um troca-troca de visitas, comentários e até ideias que fazia tudo fluir muito bem. Já faz um bom tempo que não tem sido assim – e eu tenho feito mais o blog pra mim do que para os outros;… Read more »

Ane Carol
Visitante
Ane Carol

Realmente quando fazemos algo que nos faz bem isso acaba passando para nosso texto/vídeo, logo para nosso leitor. Mesmo fazendo algo que a gente gosta saber lidar com o bloqueio criativo, resultados negativos é um processo de aprendizado e muita paciência.

Parabéns pelo texto, seu blog traz assuntos bem interessantes para reflexão.

Erica Oliveira
Visitante
Erica Oliveira

Concordo com tudo o que você postou rs Estou a 5 anos nesse meio, e quando mudei do blogger para o wordpress fiz um pente fino nos posts e fiquei ao mesmo tempo assustada e feliz rsrs Assustada pq os primeiros posts eram muitos ruins, as fotos eram horríveis e não sei como tive coragem de publicar, mas feliz pq vi o quanto evolui nesse período e continuo aprendendo pq é um processo que não pára.

Garoto de Outro Planeta
Visitante

Olá! Por mais que a reação do público frente ao nosso conteúdo não seja totalmente previsível, dá pra fazer alguma estimativa.

Tem vezes que faço posts no meu blog que tem poucas visitas, porém meses depois eu divulgo novamente o link deste post nas redes sociais e eles emplacam. Não sei porque, mas às vezes acontece. Então quando um post meu tem poucos acessos, meses depois eu tento divulgá-lo novamente nas redes sociais. Quase sempre dá certo.

Você pode pesquisar mais sobre o seu público usando dados do Google Analytics e do Facebook.

Gostei do post. Abraços!

Malu Silva
Visitante

Adorei o texto, super inspirador, me vi em vários momentos enquanto lia

Scroll to Top