O que estamos nós aqui a fazer?

Talvez eu esteja a partir do pressuposto errado ao pensar que somos importantes e que estamos aqui a fazer alguma coisa.

Nada obstante, acredito que a produtividade individual está ligada a questões existenciais para muitos indivíduos, dos quais sou indubitavelmente um deles.

O que deseja verdadeiramente?

Peço-lhe que ignore todos os clichés que acompanham a pergunta que dá o título a este artigo. Se alguma vez se perguntou o que está a fazer neste mundo, deve colocar os filtros sociais de parte para que consiga uma resposta.

De preferência, a sua própria resposta.

Quando penso nos motivos pelos quais alguém existe, a primeira coisa que me vem à cabeça, é que esta é uma questão puramente pessoal. Visto que não acredito que haja alguém assim tão importante, ao ponto de ter nascido para fazer alguma coisa em concreto.

Será que está a desperdiçar o seu tempo?

O que estamos nós aqui a fazer, é a pergunta que nos devemos colocar quando não temos a certeza de estarmos a ocupar o nosso tempo da melhor maneira.

Olhe para o seu passado, observe como tem ocupado o seu tempo nos últimos anos, e saberá pelo menos o que andou aqui a fazer. Todas as decisões que tomou até hoje ditaram o resultado da sua vida atualmente.

O seu papel no universo.

Quando consideramos de uma forma mais ampla a nossa presença no universo observável, é impossível não ficarmos impressionados. Para entender o quanto insignificante o planeta Terra se torna em toda a dimensão (conhecida até ao momento) do universo, veja este vídeo:

Depois de se aperceber de que a Terra não chega a ser um grão de areia no espaço, imagine o quanto insignificante é cada um dos nossos fracassos, das nossas preocupações, dos nossos problemas, das nossas birras, dos nossos dramas e até mesmo nós próprios.

Valerá mesmo a pena perder tempo a pensar no passado?

As gratificações imediatas abundam à nossa volta, mas curiosamente, a capacidade de as adiar a longo prazo levam a recompensas ainda maiores.

Não sabemos quando será o nosso último dia aqui. Os prazeres fugazes podem ser um desperdício de tempo em certas alturas, e noutras, uma maneira de aproveitar o facto de se estar vivo.

A importância da sua realização pessoal.

Existe uma correlação muito forte entre a capacidade de adiar as gratificações imediatas e a realização pessoal.

Não se trata de abdicar daquilo que nos dá prazer num exercício de autossacrifício, mas antes de abdicar daqueles prazeres emocionais que nada acrescentam às nossas vidas e que desperdiçam tempo que poderia ter sido utilizado para alcançarmos feitos excecionais durante a nossa passagem na Terra.

FOMO, (fear of missing out, em português medo de estar a perder) é a nova ansiedade social caracterizada pelo medo de estar a perder experiências e oportunidades que outras pessoas estão a aproveitar.

O FOMO só poderia existir num mundo cheio de oportunidades como aquele em que vivemos. As redes sociais contribuem em grande parte para o desenvolvimento deste transtorno, uma vez que nos recordam incessantemente as aparentes experiências espetaculares que os nossos amigos e conhecidos afirmam estar a ter.  

Enquanto observa os outros os seus dias passam.

A cruel ironia, é que se estiver permanentemente a ver aquilo que os outros andam a fazer com medo de perder alguma coisa, vai perder a mais interessante de todas que é a sua própria vida.

O meu FOMO, é chegar ao fim dos meus dias e não ter realizado nada de importante durante a minha vida. Para o evitar, tento fazer com que a produtividade diária nos meus projetos pessoais seja a minha gratificação imediata. Por vezes sou bem-sucedido, outras vezes não.

Ainda assim, prefiro viver com a perspetiva de um futuro próspero do que passar o meu tempo livre em atividades recreativas, e ter a certeza absoluta de que nunca realizarei nada de significativo a vida toda.

Quanto a si, faça-se a seguinte pergunta:

– O que é que eu quero fazer enquanto cá estiver?

Se souber a resposta e estiver disposto a partilhá-la, deixe-me sabê-la comentando.

5 comentários em “O que estamos nós aqui a fazer?”

  1. Eu penso bastante sobre isso, a humanidade parece que reduziu o valor da vida a bens materiais e reputação… a gente tem um tempo limitado e gasta a maior parte dele sem fazer nada que nos deixe feliz :/

    Responder

Deixe um comentário

Receba no seu email as minhas ideias pessoais que não partilho no blog!

OS MEUS EBOOKS

Nos dias que correm, cada vez mais pessoas sentem dificuldade em decidir o que querem realizar, que objetivos escolher, que sonhos perseguir. Embora nunca houvesse uma altura na história com tantas possibilidades como existem hoje em dia, sentem-se como se estivessem presas por uns grilhões e não conseguem avançar nas suas vidas. Essas amarras invisíveis que as fazem sabotar os seus objetivos inconscientemente têm um nome:

Condicionamento social.

Tudo aquilo a que nos expomos condiciona-nos positiva ou negativamente, influenciando as nossas vidas, assim como os resultados que obtemos. Este ebook foi escrito com três objetivos principais:

Ajudá-lo a DECIDIR qual o objetivo que deve perseguir, aprender o que fazer para se LIBERTAR das influências negativas que não o deixam avançar, e ainda, ensiná-lo a AJIR desenvolvendo a sua autodisciplina.

Data de lançamento: 14 de agosto de 2019

Já se perguntou porque é que algumas pessoas parecem atingir os seus objetivos com tanta facilidade, enquanto outras parecem simplesmente “falhar” em tudo? A arte de atingir objetivos não é nenhum segredo guardado a sete chaves. 

As pessoas que conseguem o que querem têm várias coisas em comum. Como já deve ter ouvido dizer, o sucesso deixa pistas, e se quer causar mudanças positivas na sua vida, não precisa de reinventar a roda. 

Este ebook contém um método, dividido em 5 princípios, que é nada mais do que uma forma simples de proceder e com a mentalidade certa. Resume também as fundações de todas as pessoas que estão constantemente a evoluir nas suas vidas e que nunca ficam estagnadas por demasiado tempo, de uma forma prática e fácil de entender.

Data de lançamento: 18 de novembro de 2016

Homem a olhar para rio e montanhas

A arte de ignorar o caos

Acabaram-se os tempos em que vivíamos num mundo perigoso e imprevisível. Ao longo da História, a esperança média de vida tem aumentado gradualmente a nível mundial.  

José Lança

José Lança

José Lança é o criador do blog Desbloqueie-se, onde milhares de pessoas espalhadas pelos quatros canto do mundo já foram procurar inspiração para os seus desafios. Dedica o seu tempo à escrita de não ficção, explorando temas que abrangem desde o desenvolvimento pessoal ao condicionamento social, passando por tudo aquilo que tem impacto na produtividade pessoal de cada indivíduo. Acredita que o seu propósito de vida é atingir a maestria num único campo, ao longo de toda a sua vida.
error: Content is protected !!