fbpx

Se já sabe fazer o que resulta, não invente!

Após ler o título deste artigo é possível que tenha pensado: “obrigado por citar o óbvio José Lança”. Ainda assim escolheu lê-lo e se costuma acompanhar este blog, então já tem uma ideia do que aí vem.

Este artigo não é sobre como descobrirmos o que fazer para alcançar as nossas metas, mas antes sobre aquelas alturas em que damos por nós a falhar redondamente no que costumávamos fazer com uma perna às costas.

Persistência + consistência = resultados!

Não é segredo algum que os nossos maiores sonhos são os que mais tempo levam a realizar. Metemos mãos à obra, e no início somos irremediavelmente persistentes, mas por mais que insistamos e que mudemos de abordagem, nada parece resultar.

Quando inadvertidamente, seja pela acumulação das rotinas que criámos ou por desenvolvermos acidentalmente uma nova habilidade durante o processo, não só encontramos finalmente a abordagem correta, como ainda ganhamos o poder de reproduzir um determinado resultado as vezes que quisermos.

Uma vez descoberta a fórmula certa, só precisa de a repetir.

Chegamos assim àquela altura em que sabemos fazer aquilo que resulta! E vermos os nossos esforços a serem proveitosos resulta numa sensação muito agradável e gratificante.

Sendo assim, quando aprendemos a executar uma serie de ações de forma a obter um determinado resultado, seria lógico executá-las deliberadamente sempre que o quiséssemos repetir!

Quando perdemos o bilhete premiado da lotaria.

A maioria das vezes que não fazemos aquilo que sabemos é por mero esquecimento. Frustramo-nos a tentar descobrir uma nova maneira de fazer uma coisa que fizemos no passado, em vez de fazer simplesmente o que já aprendemos.

Nestas situações, só precisamos de ganhar consciência e pensarmos para nós próprios.

“Espera aí… Eu sei fazer isto! Já o fiz antes!”

Se por algum motivo se dispersou, volte a fazer aquilo que sabe que resulta. Se acha que pode estar a sabotar os seus objetivos inconscientemente, leia o meu artigo sobre autossabotagem.

Se tem sucesso é porque já faz aquilo que resulta.

Porém, é possível que numa tentativa de melhorar ainda mais os seus resultados, lembrar-se de tentar otimizar as suas rotinas, acabando por fazer algo completamente diferente e que estupidamente, estrague tudo!

Se já está a fazer aquilo que resulta, não começar a inventar demasiado é provavelmente uma atitude sensata. Às vezes torna-se necessário reinventar a roda, mas apenas quando estamos encalhados e não quando os nossos esforços estão a ser bem-sucedidos.

Tentarmos reinventar a roda quando tudo está a correr bem, geralmente acaba mal.

Se ainda não descobriu o que resulta, tente novas maneiras, teste e reinvente a roda as vezes que forem necessárias.

Dê tempo suficiente aos novos procedimentos para saber se são ou não produtivos. Com tempo e perseverança vai acabar por descobrir a fórmula para conseguir o que deseja.

Quando a descobrir, nunca mais a esqueça. Se quiser um dia melhorá-la seja cauteloso para não se desviar demasiado da sua rota.

Se já está a fazer aquilo que resulta, o melhor é continuar!

E você? Alguma vez se esqueceu de fazer o que sabe que resulta e tentou começar do zero?

6 comentários em “Se já sabe fazer o que resulta, não invente!”

  1. Acho que seu texto poderia ser resumido naquele velho ditado: “Em time que está ganhado, não se mexe”. Acho que às vezes a gente não sabe lidar com as coisas dando certo e criamos uma maneira de nos auto sabotarmos.

    Responder
  2. Eu sou uma pessoa procastinadora e um pouco pessimista. Mesmo quando as coisas estão dando certo, a sempre algo dentro de mim me dizendo que nao vai.

    Responder
  3. Acredito que devemos sempre melhorar! Fazer o que já funciona é a melhor maneira de ter sucesso no seu projeto, mas também não descarto nada que possa acrescentar ao meu trabalho. Muito bom seu texto, faz a gente refletir demais no que estamos, ou não, fazendo!

    Responder
  4. Quero tanto descobrir essa fórmula secreta… Mas persistência e consistência são mesmo um ótimo combo! Muitas vezes deixei de ser consistente com algo que estava dando certo e foi tudo por água a baixo. Preciso refletir mais sobre isso!

    Responder
  5. Não gosto da ideia de após encontrar um jeito de fazer algo que traga resultados ficar fazendo somente aquilo. Até porque as coisas ficam chatas depois de ficarmos fazendo o mesmo todo o tempo, para nós e para quem nos acompanha. Acredito que apesar de nós devermos não nos esquecer da “fórmula do sucesso”, devemos saber o momento de nos reiventarmos.

    Responder
  6. Eu gosto bastante de encontrar um meio legal de fazer as coisas e segui-lo, mas também sou uma grande apoiadora da inovação. Não tem como a gente saber o que mais dá certo sem testar, né? Foi assim que achamos o primeiro bom caminho, pra começo de conversa. O importante é fazer a coisa bem fita e com mente aberta, sempre! O tradicional, por mais que funcione por muito tempo, pode acabar se tornando arcaico…

    Responder

Deixe um comentário

Planeta Terra

O que estamos nós aqui a fazer?

Talvez eu esteja a partir do pressuposto errado ao pensar que somos importantes e que estamos aqui a fazer alguma coisa. Nada obstante, acredito que

Homem a olhar para rio e montanhas

A arte de ignorar o caos

Acabaram-se os tempos em que vivíamos num mundo perigoso e imprevisível. Ao longo da História, a esperança média de vida tem aumentado gradualmente a nível mundial.  

Caveira dentro de um prato com esmolas no chão

10 atitudes que o mantêm pobre

Ninguém gosta de ser pobre, ainda que algumas pessoas tentem convencer-se do contrário. Ser pobre, neste contexto, não significa apenas viver na miséria, mas principalmente

José Lança

José Lança

José Lança é o criador do blog Desbloqueie-se, onde milhares de pessoas espalhadas pelos quatros canto do mundo já foram procurar inspiração para os seus desafios. Dedica o seu tempo à escrita de não ficção, explorando temas que abrangem desde o desenvolvimento pessoal ao condicionamento social, passando por tudo aquilo que tem impacto na produtividade pessoal de cada indivíduo. Acredita que o seu propósito de vida é atingir a maestria num único campo, ao longo de toda a sua vida.
error: Content is protected !!