fbpx

Como tomar decisões com nevoeiro mental

Este é mais um daqueles artigos em que escrevo sobre aquilo que se passa na minha vida no momento. Estar com a cabeça cheia de nevoeiro tem sido o normal no meu dia-a-dia ultimamente.

Não me queixo. É bom para me relembrar que sou 100% responsável por tudo aquilo que acontece na minha vida, e que quando alguma coisa corre mal, é porque não tenho tomado as decisões certas.

Curiosamente, os estudos científicos que consultei durante a elaboração deste artigo estão a piorar o meu nevoeiro mental. Como se o meu subconsciente estivesse a reproduzir os efeitos tóxicos mencionados nos estudos.

A exposição a conteúdos negativos tem esse efeito. Esse um dos motivos pelos quais não vejo televisão. Gosto de ser o dono dos meus pensamentos e de funcionar com a máxima da minha capacidade mental.

O facto de eu não me expor a conteúdos tóxicos e cheios de pessimismo, sejam estes vídeos no Youtube, séries, livros, filmes ou artigos, tem sido uma das melhores práticas que alguma vez implementei na minha vida.

O nevoeiro mental pode surgir em qualquer altura, especialmente se me descuidar com os meus hábitos alimentares, ou se não dormir o suficiente. Mas sei que a informação e o conhecimento que entra na minha cabeça não contribuem para entorpecer o meu espírito.

O que é o nevoeiro mental.

O nevoeiro mental é caracterizado por uma dificuldade de concentração, cansaço psicológico, falta de foco, sensação de atordoamento, falta de memória e bloqueios criativos.

Sabe aquela sensação de atravessar os seus dias como se estivesse debaixo de água? Quando as outras pessoas falam consigo, é como se estivesse a ouvi-las através de uma parede.

As palavras que ouve não se fixam na sua mente, evaporam-se no ar, não importa o esforço que faça para se concentrar. Tomar decisões importantes torna-se numa autêntica tortura quando estamos com estes sintomas.

É como dar à chave num carro no qual o motor se recusa a funcionar. Nos casos mais graves, pode inclusive esquecer-se de sair na estação de comboio onde era suposto, ou esquecer-se do andar em que mora.

Mas vamos supor que a sua situação não é tão grave ao ponto de entrar na casa do vizinho em vez da sua. Quer apenas pensar com mais clareza, ou tomar uma decisão importante. Se a sua cabeça está feita em água, como é que vai otimizar as suas reflexões?

Antes de aprender estratégias para despertar clareza nesses momentos de cansaço psicológico, vamos identificar quais são as suas causas, uma vez que algumas podem ser resolvidas quase de um dia para o outro.

Como ficamos com a cabeça cheia de nevoeiro?

Como se as obrigações do dia-a-dia não fossem suficientes para nos deixar em piloto automático, sem tempo para pensar ativamente, vivemos também num mundo cheio de interrupções por causa dos nossos smartphones.

As interrupções constantes desgastam a nossa capacidade de nos empenharmos numa tarefa por períodos prolongados de tempo, o que consequentemente, reduz drasticamente a qualidade daquilo que produzimos.

O problema do nevoeiro mental é que gera incerteza dentro de nós. Queremos tomar decisões importantes, mas é como se a nossa razão se tivesse desligado internamente.

O nevoeiro mental faz com que nos esqueçamos da sabedoria que adquirimos ao longo dos anos.

Causas e soluções. 

As principais causas do nevoeiro mental são:

  • Dormir pouco.
  • Stress.
  • Falta de exercício físico.
  • Má alimentação.
  • Remoer o mesmo pensamento na cabeça 10 milhões de vezes.

Uma vez que este artigo está mais focado na cura do que na prevenção, aqui está uma série de soluções que o podem ajudar a ganhar alguma clareza para tomar decisões, nos momentos em que o nevoeiro mental invade a sua cabeça.

Adiar a tomada de decisão.

Se a decisão que precisa de tomar pode ser adiada, é preferível que aguarde até que recupere o seu discernimento. Não vale pena gastar a sua energia dando tiros no escuro quando pode esperar pela luz do dia.

Faça uma lista das soluções, mesmo que lhe pareçam absurdas.

Colocar as suas ideias no papel vai ajudá-lo a aclarar as ideias. Não interessa se as soluções que lhe ocorrem parecem absurdas. Escrever soluções disparatadas propositadamente pode aguçar os seus sentidos para desenvolver outras mais eficientes e realistas.

A decisão serve para transformar algo na sua realidade, qual o resultado final que deseja?

Antes de tomar a sua decisão, lembre-se de definir com precisão qual o resultado final que procura. Perdemos muitas vezes o nosso foco devido a nos esquecermos do nosso propósito.

Lembre-se dos seus valores, estes despertam a sua intuição.

Os seus valores estão dentro de si e são quase imutáveis. Influenciam todas as suas decisões, e normalmente, não precisa de pensar neles conscientemente. Costumam estar tão enraizados que é como se fizessem parte do seu instinto.

Se está a sofrer com nevoeiro mental ao ponto de este toldar o seu raciocínio, está na hora de apelar à sua parte mais primitiva. Lembrar-se dos seus valores não requer capacidade de processamento mental, mas antes que esteja atento às suas emoções.

Fazer uma lista mental dos seus valores vai despertar a sua intuição, e esta raramente o deixa ficar mal.

Gostou deste artigo? Se tem o seu próprio método para tomar decisões nas alturas de nevoeiro mental, deixe-me saber qual nos comentários.

4 comentários em “Como tomar decisões com nevoeiro mental”

  1. Eu não conhecia o termo “nevoeiro mental”, mas lendo agora sei que passo bastante por isso, especialmente nessa época complicada que todos estamos enfrentando. Adorei suas dicas! Se for do seu interesse (acho que irá gostar), no canal “Me Poupe!” da Nathalia Arcuri, ela tem um curso, uma série de vídeos chamada “O Problema é seu” onde ela ensina a solucionar problemas de forma prática e racional. Eu acho muito legal as técnicas que ela usa, dá uma olhada lá depois!

    Responder
  2. Nossa, eu nem conhecia o termo “nevoeiro mental”, mas com certeza estou passando por um! São tempos dificeis para todos, mas as dicas que encontro aqui no seu blog com certeza me serão úteis! Valeu pelo conteúdo

    Responder

Deixe um comentário

Homem a ver jogo de rugby

O medo de não ser bom o suficiente

Existem algumas coisas que embora não sejam visíveis à superfície, são comuns a quase todo o mundo. O medo de não ser bom o suficiente

Lâmpada apagada no chão

Quando chega a altura de se reinventar

Quando pensamos em progredir nas nossas vidas, pensamos usualmente em melhorar as qualidades de que já dispomos, e não em nos reinventarmos por completo. Reinventarmo-nos, é

José Lança

José Lança

José Lança é o criador do blog Desbloqueie-se, onde milhares de pessoas espalhadas pelos quatros canto do mundo já foram procurar inspiração para os seus desafios. Dedica o seu tempo à escrita de não ficção, explorando temas que abrangem desde o desenvolvimento pessoal ao condicionamento social, passando por tudo aquilo que tem impacto na produtividade pessoal de cada indivíduo. Acredita que o seu propósito de vida é atingir a maestria num único campo, ao longo de toda a sua vida.
error: Content is protected !!